top of page

A Ciência da Serenidade: Estudos Neurocientíficos Sobre o Impacto da Auriculoterapia no Cérebro

A auriculoterapia, é uma forma de acupuntura que se concentra na estimulação de pontos específicos na orelha, tem sido usada há séculos para tratar uma variedade de condições físicas e emocionais.

Nos últimos anos, os avanços na neurociência permitiram uma compreensão mais profunda desta técnica e qual a sua influencia no sistema nervoso e no cérebro.

Este artigo explora descobertas recentes sobre o impacto da auriculoterapia, destacando estudos neurocientíficos que revelam a sua eficácia.





O que é a Auriculoterapia

A Auriculoterapia é baseada na premissa de que a orelha é um microsistema que reflete a anatomia do corpo humano. E defende que se estimularmos pontos específicos na orelha, é possível influenciar outras partes do corpo e ajudar na melhoria de condições, desde a dor crónica até distúrbios emocionais.



As evidências Neurocientíficas

Nos últimos anos, vários estudos neurocientíficos têm investigado a auriculoterapia e como a mesma, afeta o cérebro e o sistema nervoso.

Utilizando técnicas como a ressonância magnética funcional (fMRI) e a tomografia por emissão de positrões (PET), os especialistas, têm observado mudanças significativas na atividade cerebral associadas à estimulação auricular.


Alterações observadas:


  1. Controlo da Dor - A dor crónica é uma das condições mais estudadas em relação à auriculoterapia. As pesquisas demonstram que a estimulação de pontos específicos na orelha podem ativar áreas do cérebro envolvidas no processamento da dor, como o córtex somatossensorial e o córtex cingulado anterior. Um estudo publicado na Journal of Alternative and Complementary Medicine demonstrou que pacientes com dor lombar crónica experimentaram uma redução significativa na intensidade da dor após algumas sessões de auriculoterapia, com alterações observáveis na conectividade funcional dessas regiões cerebrais.

  2. Redução da Ansiedade e do stress - A ansiedade e o stress são outras áreas onde a auriculoterapia tem demonstrado eficácia. A estimulação de pontos auriculares podem influenciar o sistema nervoso autónomo, promovendo um estado de relaxamento. Estudos que utilizaram fMRI indicam que a auriculoterapia pode reduzir a atividade em regiões do cérebro associadas ao stress e à resposta de "luta ou fuga", como a amígdala e o hipotálamo. Um estudo conduzido pela Universidade de Seul, demonstrou que participantes que receberam auriculoterapia revelaram uma diminuição significativa nos níveis de cortisol, a hormona do stress, além de relatar uma sensação de bem-estar aumentada.

  3. Melhoria do Sono - Distúrbios do sono, como a insónia, também, podem ser tratados com a auriculoterapia. Algumas pesquisas indicaram, que a estimulação de certos pontos na orelha podem aumentar a produção de neurotransmissores relacionados com o sono, como a melatonina. Um estudo publicado no Journal of Sleep Research, revelou que, pacientes com insónia foram sujeitos ao tratamento de auriculoterapia, e relataram uma melhora significativa na qualidade do sono, corroborada por mudanças na atividade cerebral medida por EEG.



Mecanismos de Ação

Embora os mecanismos exatos pelos quais a auriculoterapia exerce seus efeitos ainda estejam a ser comprovados pela ciência, várias hipóteses têm sido propostas:

  • Alterações Neurotransmissoras: A estimulação auricular pode influenciar a libertação de neurotransmissores como endorfinas e serotonina, que desempenham papéis cruciais na dor e no humor.

  • Ativação de Vias Nervosas: A orelha possui uma rica inervação, e a estimulação de pontos específicos, podem estimular sinais ao cérebro através do nervo vago, influenciando o sistema nervoso central.

  • Neuroplasticidade: A auriculoterapia pode promover a neuroplasticidade, ou seja, a capacidade do cérebro se reorganiza e formar novas conexões neurais em resposta a estímulos.



Conclusão

A auriculoterapia representa uma técnica fascinante entre medicina tradicional e neurociência moderna. Os estudos recentes fornecem evidências robustas de que esta técnica pode ter efeitos benéficos significativos no sistema nervoso e no cérebro, ajudando a aliviar a dor, reduzir o stress e melhorar o sono. À medida que as pesquisas continuam a avançar, a compreensão destes mecanismos subjacentes e das aplicações clínicas da auriculoterapia, revelam que é sem dúvida uma ferramenta valiosa na medicina integrativa.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page